terça-feira, 28 de abril de 2015

O que você prefere?


 O que você prefere: tentar mesmo sem saber se vai dar certo ou conviver com a dúvida de desistir sem nunca ter tentado?
 Pense bem.
 Escolheu? Ótimo, então vamos lá.
 Eu escolhi a primeira opção. Sempre parti do princípio de que as garotas quem devem esperar os garotos e jamais, de jeito nenhum tomar alguma atitude, por mínima que for pelo simples motivo de ser mais romântico, mais bonito, e diria até mais correto. Acho ridículas aquelas garotas que dão em cima (não faça isso!), mas não me entenda mal. Foi (bem) diferente. O que fazer quando alguém começa uma temporada e para no episódio três sem avisar se a série acabou, ou mesmo postar a data do próximo episódio? Pois é, eu também não sei.
 Tive muita influência de uma amiga, é verdade, mas não sinto raiva dela por isso. Agradeço-a. Precisava de um ponto final a qualquer custo. Se tem uma coisa que eu odeio se tratando de romance/pré-romance/relacionamento (vulgo qualquer-coisa-relacionada-ao-amor) são as reticências. Ô coisinha chata são esses três pontinhos, viu? Principalmente para alguém tão insegura como eu. E foi por isso que eu tomei essa atitude (que nem foi grande coisa, vai), mas só porque realmente existia uma dúvida. Não era só coisa da minha cabeça, já que em nenhum momento algum de nós disse algo como “Ô menino(a), perdi o interesse em você”, “Não te amo mais”, ou qualquer coisa parecida. Foi mais pra um sumiço, do nada, sem explicação. Só.
 Não me arrependo do que escrevi – era verdade (e ainda é). O ponto principal é saber se, independente da resposta que obtiver, é isso que você quer: a certeza/a mudança das reticências para vírgulas ou um ponto final. Eu, particularmente, prefiro dar a cara para bater do que morrer sem saber, não sei você. Pelo menos uma vez na vida não fui covarde, e não estou dizendo que você deve fazer o mesmo. Depende do que se quer, das circunstancias e da estrutura emocional de cada um, portanto quando estiver passando por alguma situação assim, se faça essa pergunta:
 Você se conhece. Acha que é forte o bastante?
 A escolha é sua. E o coração também.

 P.S.: Vou dar um exemplo. Pensa em A Culpa é das Estrelas. O Augustus falou pra Hazel que seria uma honra ter o coração partido por ela. Ele sabia os riscos, sabia que ela era uma granada e que poderia explodir a qualquer momento, mas mesmo assim aceitou suas escolhas. Só existem duas opções: ou você parte seu coração ou o mantêm vazio. Aceite suas escolhas e pare de chorar pelos cantos (desculpa, mas eu precisava falar). E se não tiver certeza, espere até ter.
 “Ah, mas dói muito”. Eu sei. Mas é uma dor suportável. Sabe uma doença? É bem parecido.

domingo, 26 de abril de 2015

Séries Curtas 


 Uma amiga minha me disse dia desses que queria assistir séries mas não tinha tempo. Se você também sofre com isso, talvez eu possa te ajudar (um pouquinho, pelo menos).

sábado, 25 de abril de 2015

Look do Dia

 Oi! Eu não ando postando quase nada, mas é porque estou meio sem ideias... Textos eu tenho de monte, mas ficaria cansativo postar só isso. Daí resolvi tentar começar com essa onda de look do dia. Esse foi só um teste, e como é o primeiro eu fiz em casa mesmo, então não reparem no 'cenário'. Acho que vou tentar fazer isso mais vezes, e quem sabe fique melhor da próxima vez.
 O look tem peças bem básicas, fáceis de encontrar e acessíveis, pra que vocês possam tirar uma base e verem como não é só com roupa cara que o look fica bonito. A Forever 21, que todo mundo ama ♥, é uma prova disso.

 

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Comentários Sobre

Faça amor, não faça jogo

 Primeiramente queria pedir desculpas pelo meu sumiço. Mas vocês já devem saber que quando começam as aulas fica difícil ter tempo para as outras coisas. A gente meio que perde a vida social. :/

 Eu não costumo falar de livros de crônicas porque geralmente não tem muito o que falar, mas esse eu tinha que recomendar. Quem não leu ainda, por favor, leia! São vários textos com algumas experiencias e pensamentos de Ique Carvalho (mineiro, 33 anos). Ele é muito romântico! Os textos dele são emocionantes, e quem lê custa a acreditar que um cara pode ter pensamentos assim. Parece coisa que a gente só vê em conto de fadas. Eu demorei muito pra fazer uma amiga minha acreditar que, SIM, esse cara existe. Depois de um tempo ela ficou viciada no blog dele e agora acompanha todos os posts (o blog dele é: The Love Code).
 O que mais me emocionou foram os textos em que ele fala do pai (que adquiriu uma doença degenerativa). Aliás, tudo que ele aprendeu sobre romantismo foi o pai dele que ensinou - um exemplo de homem, que sempre entrega flores para sua esposa, e que pediu para que o filho continuasse entregando mesmo depois que ele não estivesse mais entre eles.
 Um dos meus textos preferidos do livro é o Idas e Vindas. Todos são muito lindos e é difícil ter só um favorito, mas esse é tão fofo. Sei lá, ele simplesmente virou meu xodó. Toda vez que leio, sorrio. É lindo ver que existem homens sensíveis, e esse livro trás muito essa sensação (um dica para quem já desacreditou do amor).
 Todas as pessoas do mundo (principalmente os garotos. E do mundo não, só o Brasil já estaria bom) deveriam ler esse livro. Acho que ele transformaria qualquer ser. É impossível não refletir nas palavras do autor. As pessoas seriam mais sensíveis e sábias se carregassem esses textos para a vida como exemplo ♥