quarta-feira, 20 de julho de 2016

 Encontros e Esbarrões



 Eu não queria muito, só o que falta em mim. Não exijo o mundo, mas aceito compreensão. E o teu coração. 
- Seja justo e não o peça de volta.

 O que está errado, que eu nunca sei? O problema sou eu, ou esse é um caso singular em que menos com menos não dá mais? Pois não sei bem qual é o problema, e dessa forma não tenho a quem culpar.
 Creio que a pessoa certa deveria nos achar, ao invés do contrário. E há uma grande diferença entre encontros e esbarrões.
 Encontrar uma pessoa, mesmo sem estar procurando, é achar aquilo que no fundo sempre desejou - e provavelmente, a não ser que você seja superficial, é mais do que a embalagem. Esbarrar também é achar, por acaso, porém não efetivamente encontrar. É mais externo que interno... E, como todo esbarrão, o adeus é seguido do pedido de desculpa. É algo que por um momento pode durar a eternidade (se observado pelo lado sensível) e ter olhares flamejantes, talvez também envergonhados, mas que não se mantém. Enquanto o esbarrão se associa ao efêmero, o encontro é mais vinculado - e nem preciso dizer que você foi o esbarrão.
 Então por que perder tempo, tendo o diagnóstico da situação? Eu não sei. Esperança boba que não nos deixa desacreditar. Mas acreditando assim, desgastando assim, um dia se quebrará.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Comentários Sobre

Por Lugares Incríveis










 Esse é um daqueles livros que quando a gente termina de ler, quer sair recomendando e pensa que o mundo inteiro merecia lê-lo. Toca nos assuntos depressão, suicídio e transtorno de bipolaridade,
temas delicados mas muito importantes atualmente com essa geração da "bad" e a tristeza decorrente que os jovens expressam nas redes sociais (ok, parece que estou fazendo uma redação usando essa linguagem, vou parar kk).
 A história é linda, triste mas realista, do estilo que eu gosto. Já vi algumas pessoas alegarem que não leem livros assim porque não gostam de histórias tristes, mas são as histórias tristes que mostram a verdade que a gente tanto luta pra esconder com sonhos. É claro que é bom fugir da realidade sempre que possível, só não podemos ficar só nisso e deixar de lado a realidade e o que está acontecendo no mundo, e esses assuntos estão tendo importância no momento em que vivemos. Principalmente na adolescência, com tantas incertezas, caminhos e possibilidades de errar.
 Com todos os problemas, essa é também uma história de amor. Só achei que a Ultravioleta poderia ter tido mais interesse nos problemas de Finch e o ajudado mais. Ela foi meio decepcionante nessa parte, mas tudo bem, porque é a realidade: no geral, as pessoas são egoístas, só percebem os erros depois que não tem mais jeito. É o que a maioria faria no lugar dela. Enfim, sem mais spoilers kk.
 Tem o ponto de vista dos dois a cada capitulo, alternando, e isso é ótimo pra perceber as diferenças dos mundos deles, de como pensam. Recomendo muito esse livro ♥. Pra entender mais sobre esses distúrbios e pra conhecer esse casal, ambos inteligentes, com muito amor e aparentemente normais, mas com uma confusão por dentro. E que, de alguma forma, salvaram um ao outro.