quarta-feira, 20 de julho de 2016

 Encontros e Esbarrões



 Eu não queria muito, só o que falta em mim. Não exijo o mundo, mas aceito compreensão. E o teu coração. 
- Seja justo e não o peça de volta.

 O que está errado, que eu nunca sei? O problema sou eu, ou esse é um caso singular em que menos com menos não dá mais? Pois não sei bem qual é o problema, e dessa forma não tenho a quem culpar.
 Creio que a pessoa certa deveria nos achar, ao invés do contrário. E há uma grande diferença entre encontros e esbarrões.
 Encontrar uma pessoa, mesmo sem estar procurando, é achar aquilo que no fundo sempre desejou - e provavelmente, a não ser que você seja superficial, é mais do que a embalagem. Esbarrar também é achar, por acaso, porém não efetivamente encontrar. É mais externo que interno... E, como todo esbarrão, o adeus é seguido do pedido de desculpa. É algo que por um momento pode durar a eternidade (se observado pelo lado sensível) e ter olhares flamejantes, talvez também envergonhados, mas que não se mantém. Enquanto o esbarrão se associa ao efêmero, o encontro é mais vinculado - e nem preciso dizer que você foi o esbarrão.
 Então por que perder tempo, tendo o diagnóstico da situação? Eu não sei. Esperança boba que não nos deixa desacreditar. Mas acreditando assim, desgastando assim, um dia se quebrará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário